Bel Pesce e a hamburgueria do Belzebu

Padrão

A polêmica da semana é dela: A Menina do Vale, Bel Pesce.

Esse vídeo é para dizer o que eu penso de toda essa história, das palestras, empreendedorismo de palco e afins. Muitos alunos vêm me perguntar “Professor, o que você acha da Bel?”

A polêmica da hamburgueria da Bel Pesce

Na semana passada, Bel Pesce (vulgarmente conhecida como a Menina do Vale) criou um projeto de crowdfunding para montar uma hamburgueria (eu chamaria de lanchonete) com o vencedor do MasterChef BrasilLeonardo Young.

E qual a confusão? Independente de dar certo ou não o projeto de financiamento coletivo (pessoalmente, não vejo problemas com isso), o problema foi que o timing inadequado, junto com uma falta de oferecer um negócio que valesse a pena de ser financiado, somado – esse o grande problema – a uma série de pequenas mentiras contadas pela Bel levaram à uma campanha terrível de desconstrução do personagem “Menina do Vale”. Ela, que sempre foi muito conhecida no ambiente, na cena empreendedora, nunca havia sido questionada – ou exposta – fora desse contexto e, uma vez que aconteceu (e a exposição do vencedor do MasterChef amplificou isso), boa parte dessa história se revelou falsa (ou, sendo “polido”, algumas histórias foram bastante exacerbadas). A partir daí começa a confusão.

Izzy Nobre vs Bel Pesce

E aqui começa a confusão: o blogueiro Izzy Nobre escreve um texto onde praticamente disseca quem é Bel Pesce, questionando sua formação, os minors e mayors que ela tem, seu diploma, se ela é de fato fundadora de algumas das empresas que ela disse fundar (e a conclusão é que não, no máximo pode ser considerada do time inicial de uma delas, a Lemon Wallet). E isso detona a imagem da Bel Pesce – e eu não sei qual será o impacto sobre os negócios (atuais) da Bel Pesce, acredito que terá um impacto negativo nesse momento, além de desencadear uma avalanche de posts, textos de blogs e vídeos sobre o caso.

Mas meu ponto não é esse.

O que é empreendedorismo?

Antes de qualquer análise sobre o caso (e não sobre a Bel em si, que já me parece bastante exposta), precisamos responder à questão: o que é empreendedorismo?

Vocês sabem que sou um acadêmico, que minha tese de doutorado, defendida no começo de 2015 foi sobre empreendedorismo (e histórias de empreendedores), então acredito que tenho algo a falar sobre o tema.

O conceito de empreendedorismo que é bastante aceito e difundido hoje é a idéia de alguém que abre um negócio, uma empresa. E ponto. Você abre uma barraca de cachorro quente e pronto, é empreendedor. Abre uma hamburgueria (por que não “lanchonete”???) e, voilà, é empreendedor. Eu, pessoalmente, discordo dessa definição. De minha parte, aceito a definição de Schumpeter, que diz que o empreendedor é o agente de inovação e transformação da sociedade a partir da introdução de novos produtos ou serviços (vulgo, inovação). Ou seja, o empreendedor não é apenas alguém que tenha uma empresa, mas alguém que inova a partir dessa empresa e que funciona como alguém que empreende uma jornada.

Então, essas duas definições (a clássica e a moderna) já tiram do rol de “empreendedores” boa parte dessas novas celebridades da categoria de empreendedores.

Empreendedor de fato ou empreendedor de palco

Além disso, há uma discussão – essa, a meu ver, ainda mais profunda e urgente – sobre o que é o empreendedor de fato e o que é o empreendedor de palco, que é alguém que dá palestras motivacionais sobre empreendedorismo. E, pessoalmente, não considero esse segundo grupo como empreendedores, por mais dinheiro que façam. Não os respeito como empreendedores. Como pessoas de sucesso financeiro? Sim, mas não como empreendedores. Acredito até que haja valor nisso, mas como motivação, não como caso real.

E a Bel Pesce, então?

A Bel Pesce é um caso curioso. Me perguntam “A Bel é empreendedora?

E a minha resposta é: “Antes, não!“. Quando ela se vendeu como a Menina do Vale, com forte apoio do Flávio Augusto, ela não era. Nem sob o ponto de vista moderno, de abrir uma empresa, nem sob o ponto de vista clássico, da inovação. Então a Bel Pesce começa, na verdade, como uma história, como um personagem: A Menina do Vale.

E hoje? Hoje, sim, é empreendedora. Em ambos os conceitos: o moderno e o schumpteriano. É um caso interessante de profecia auto-realizável: ela não era empreendedora, ela se vendeu como empreendedora e, assim, se tornou – de fato – empreendedora.

Eu passei a respeitá-la como inovadora depois do lançamento do Conecta Game, um jogo para estimular pessoas a gerar idéias criativas, desenvolvido em parceria com a Copag. E a FazInova, sua empresa de treinamento, atende ao outro critério, de alguém que tem uma empresa. “Ah, mas é uma empresa para vender palestras dela”, não é. Vende palestras, sim, mas vende treinamento, também, com uma equipe, funcionários, estrutura física, tudo certinho. Então, você pode gostar ou não, mas ela tem uma empresa, sim.

E a hamburgueria?

Eu acho que foi um tiro no pé por conta da exposição e, principalmente, porque não tinha nada de inovação, nada que justificasse um crowdfunding. Pô, aplica aquilo que você ensina, né, Bel? Faz um modelo de negócios inovador, uma hamburgueria (LANCHONETE!) por assinatura, que você paga mensal e pode comer a vontade, sei lá (olha eu dando consultoria de graça de novo!). E aí vende as primeiras adesões pra levantar a grana, aí sim eu acho que o efeito seria inverso. Ao invés de manchetes como “A farsante da Bel”, leríamos coisas como “A Menina do Vale inova mais uma vez”. Mas, como foi feito, ficou ridículo, foi um tiro no pé.

E agora?

Agora a Bel ainda está tentando se defender da artilharia (e artilharia de internet é cruel!), ainda vai ter a fase da poeira abaixar e, do pouco que conheço da garota, é bem provável que ela fique quebrando a cabeça para montar um p*ta negócio legal e voltar esfregando na cara de todo mundo. Vai conseguir? Não sei. Mas eu colocaria umas moedinhas para apostar que vai tentar.

E você, o que achou dessa confusão toda?


Links para saber mais

Vencedor do MasterChef e Bel Pesce usam crowdfunding para abrir hamburgueria
http://corporate.canaltech.com.br/noticia/negocios/vencedor-do-masterchef-e-bel-pesce-usam-crowdfunding-para-abrir-hamburgueria-78083/

Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim
https://medium.com/@izzynobre_24233/bel-pesce-e-o-empreendedorismo-de-palco-porque-a-menina-do-vale-n%C3%A3o-vale-tanto-assim-da9e0c917844#.9eux4hwns

Bel Pesce é fraude?

Izzy Nobre v Bel Pesce – Treta Internacional

Após polêmica, Bel Pesce faz desabafo sobre tentativas de ‘desmascará-la’ na internet
http://vejasp.abril.com.br/blogs/pop/2016/09/01/bel-pesce-faz-desabafo-sobre-tentativas-de-desmascara-la-na-internet/

Bel Pesce: empreendedora mal compreendida ou farsa midiática?
http://www.tecmundo.com.br/polemica/109167-bel-pesce-empreendedora-mal-compreendida-farsa-midiatica.htm

Caso Izzybel ou Bel Pesce é uma fraude: Estadão tenta desqualificar blogueiro Izzy Nobre, mas…
http://www.obrasil.online/economia/caso-izzybel-ou-bel-pesce-e-uma-fraude-estadao-tenta-desqualificar-blogueiro-izzy-nobre-mas/

A resposta de Bel Pesce: Quando a emenda sai pior que o soneto, parte 1
http://hbdia.com/dossie-hbd/a-resposta-de-bel-pesce-quando-a-emenda-sai-pior-que-o-soneto-parte-1/

CEO agora diz que Pesce não começou Lemon, mas pode ser chamada cofundadora
http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2016/09/04/ceo-agora-diz-que-pesce-nao-comecou-lemon-mas-pode-ser-chamada-cofundadora.htm

VENCEDOR DO MASTERCHEF E BEL PESCE CANCELAM FINANCIAMENTO COLETIVO APÓS REVOLTA NA WEB
http://revistapegn.globo.com/Noticias/noticia/2016/08/vencedor-do-masterchef-e-bel-pesce-cancelam-hamburgueria-apos-revolta-na-web.html

Bel Pesce tenta explicar o crowdfunding para hamburgueria
http://startse.infomoney.com.br/portal/2016/08/29/22139/bel-pesce-tenta-explicar-o-crowdfunding-para-hamburgueria/

Quem é Bel Pesce?
https://www.belpesce.com.br/sobre

Bel Pesce apresenta diplomas e documentos para tentar comprovar formação e experiência
http://www.brasilpost.com.br/2016/09/02/bel-pesce-diploma_n_11841396.html

Hamburgueria ‘Zebeléo’ não vai ter mais financiamento coletivo, anuncia Bel Pesce
http://www.brasilpost.com.br/2016/08/26/financiamento-coletivo-zebeleo-cancelado_n_11718658.html

Fundador da Lemon desmente papel de Bel Pesce na empresa, mas volta atrás
http://corporate.canaltech.com.br/noticia/personalidades/fundador-da-lemon-desmente-papel-de-bel-pesce-na-empresa-mas-volta-atras-79063/

Crowdfunding da hamburgueria de Leo e Bel Pesce é cancelado
http://exame.abril.com.br/pme/noticias/crowdfunding-da-hamburgueria-de-leo-e-bel-pesce-e-cancelado

Análise da linguagem corporal de Bel Pesce

O milagre da missionária Bel

O melhor vídeo sobre o assunto: Kibeleo

Quer contribuir?
https://www.patreon.com/ProfSergioJr

É mais fácil

Padrão

É mais fácil punir que ensinar. Não que seja o melhor no longo prazo, mas certamente é mais fácil.

A mãe ou pai que prefere bater no filho ao invés de sentar e conversar. O colega que prefere pegar o serviço e fazer ao invés de ensinar como fazer. O professor que prefere bombar um aluno a sentar com ele e se dedicar a ensinar.

E, é dos professores e acadêmicos, que chega esta notíciaBibliotecária americana bane Wikipédia da vida escolar.

Uma bibliotecária de uma escola no estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos, bloqueou o acesso dos alunos de primeiro grau aos servidores da Wikipédia a partir dos computadores da biblioteca. Linda O’Connor, da Great Meadows (N.J.) Middle School, que há anos se opõe à enciclopédia online, decidiu tomar a dianteira e, além de banir o acesso dos usuários ao endereço, também distribuiu cartazes sobre os computadores com os dizeres “Just Say ‘No’ to Wikipedia” (”Apenas Diga ‘Não’ à Wikipédia”), lema semelhante ao da popular campanha antidrogas criada por Nancy Reagan que dizia “Just Say ‘No’ to Drugs”.

wikipedia[1]A razão, compreensível e justificável: muitos alunos usam a enciclopédia virtual como fonte única de trabalhos. Também sofro com isso (para quem não sabe/lembra, sou professor). Mas não é apenas a Wikipedia. Muitos alunos apenas copiam e colam trabalhos prontos da net. Felizmente (para mim, e até para eles) eu conheço “um pouco” de tecnologia e sei identificar um trabalho copiado. É zero sem pensar. E eles sabem… os que arriscam, raras vezes se dão bem.

Mas, pq me dou esse trabalho (de pesquisar as fontes dos trabalhos de meus alunos)? Porque quero que aprendam a fazer, não quero joga-los na fogueira e dizer “se vira”. A vida se encarregará dessa parte. Enquanto estão comigo, quero apenas que aprendam.

Nesse ponto, vejo valor na Wikipedia como ferramenta de inicio de uma pesquisa, de sondagem de um tema. Eu mesmo faço isso, sem crise de consciência. Mas, quando a coisa é séria, procuro fontes mais confiáveis.

E sobre confiabilidade, vai outro cutucão: quem disse que “outras fontes” tem informações “imparciais”? Sinceramente, penso que imparcialidade é apenas uma utopia humana.


Texto original em Na Toca da Cobra do dia 28-Nov-2007

Literatura em 140 caracteres?

Padrão

“A meninada precisa ser seduzida. Ler pode ser divertido e interessante, pode entusiasmar, distrair e dar prazer”
Lya Luft


Li um texto da Lya Luft na Veja da última semana. A frase que vai acima é parte do texto e reflete uma preocupação que tenho como docente. Pode ser algo pessoal, mas entendo que, como docente, tenho uma missão maior do que simplesmente ensinar um conteúdo. Acredito que tenho que instigá-los a investigar, pensar, questionar. Utopia ou missão, não sei e não me preocupo em saber. Ajo e ponto.

Um grande desafio é auxiliar na transformação de uma “geração 140”¹ em leitores. Indepentende da obra – eu mesmo não tenho paciência para alguns “clássicos” – o hábito da leitura tem vantagens inúmeras. Além de treinar a mente,

Twitter

Twitter

enriquecer vocabulário, melhorar a escrita, a leitura pode proporcionar incontáveis horas de diversão a um custo muito baixo. Tão portátil quanto alguns celulares, um livro ainda tem a vantagem de não ser um objeto de desejo da maioria dos ladrões – o que é uma pena. Pode ser usado no metrô, em casa, na escola/faculdade, enquanto espera alguém no shopping… até mesmo no banheiro!

Há quase 2 anos faço uma experiência com meus alunos de 2º período na FIT. Essa turma tem comigo a disciplina de Fundamentos de Tecnologia que, apesar de ser tecnologia, é um conteúdo um pouco cansativo as vezes. Há alguns semestres, identifiquei que a média de leitura da sala era similar à média de leitura do brasileiro (algo em torno de 1,7 livros ao ano). O número não assustaria se não estivessemos falando de jovens com uma condição social estável e na maior capital do país. Eu me assustei. Esse número se repete em outras turmas e, por conta da missão que citei antes, propus-lhes um trabalho: indiquei alguns livros de ficção científica e tecnothrillers e desenvolvemos um trabalho de análise do ambiente tecnológico… do livro! Dan Brown, Michael Crichton, Asimov, Orwell tornaram-se nossos companheiros durante cerca de dois meses. Nas últimas apresentações, trouxemos de volta o “elemento 140”: com os slides online, fazíamos comentários e interagíamos com a apresentação através do Twitter. A experiência é incrível!

É interessante notar que, ao contrário do que muito se fala por aí, esses jovens podem, sim, tornarem-se leitores assíduos dos livros – e livros não necessariamente de papel, mas e-books, blogs e outros. Concordo plenamente com Lya Luft: eles precisam ser seduzidos. Não enganados, mas apresentados a outras possibilidades de leitura.

Fazer isso sem preconceitos e entendendendo as necessidades dessa geração é uma tarefa difícil, mas recompensadora.


¹ – Geração 140 é uma referência a aplicações internet como o Twitter, onde o usuário posta mensagens curtas que são acompanhadas por milhares de pessoas ao redor do mundo. O número de caracteres (140) é baixo pois segue a filosofia da mobilidade e praticidade, tendo como objetivo inicial ser usado com mensagens SMS em celulares.

Twitteravaliação

Padrão

Ontem, durante as apresentações dos alunos do 1º semestre da FIT, valendo as notas do 2º Bim, fizemos uma experiência (eu e os alunos). Enquanto os grupos se revezavam nas apresentações, os demais acompanhavam, via Twitter, os comentários do professor. Tinham a oportunidade de clicar nos links das apresentações e comentar também os trabalhos dos colegas. Para mim, além de propiciar uma experiência interativa com a turma num momento que normalmente seria de baixa interação, foi legal ver os comentários dos colegas acerca dos trabalhos. Sem contar, também, que foi uma experiência divertida.

Creio que, finalmente, tenha encontrado uma boa utilidade para o Twitter.

Gostaria de saber da turma: que acharam?

A crise do Crédito em vídeo

Padrão

© Copyright 2009 Jonathan Jarvis

[vodpod id=ExternalVideo.809277&w=425&h=350&fv=clip_id%3D3261363%26server%3Dvimeo.com%26autoplay%3D0%26fullscreen%3D1%26md5%3D0%26show_portrait%3D0%26show_title%3D0%26show_byline%3D0%26context%3Duser%3A606565%26context_id%3D%26force_embed%3D0%26multimoog%3D%26color%3D00ADEF%26force_info%3Dundefined]