Fugir da luta?

Padrão

O prof. Kanitz, a quem muito admiro e respeito, fez um post (neste link) chamado Por Que Não Mudo Para Portugal sobre o que ele chama de “fugir da luta” ao falar sobre migração. Essa é uma das poucas vezes que discordo de praticamente tudo que disse o prof. Stephen Kanitz.

Migrei neste ano. Volto? Não sei. Provavelmente não nos próximos anos. Mas posso dizer algumas coisas: tem mais “SE” em seu texto do que comportam os próximos 20 ou 30 anos. Vou para um ponto a ponto:

1. Portugal tem somente 10 milhões de habitantes, portanto com poucos consumidores para quem precisará necessariamente empreender.

1 – Sim, Portugal é minúsculo (10 mi pessoas) e, realmente, um mercado muito pequeno para quem vai empreender. Mas… Não é o único país do mundo e está contratando brasileiros qualificados em diversas posições, principalmente em tecnologia.

2. Portugal tem somente 1 milhão de jovens entre 15 e 24 anos, portanto sem futuro, muito menos promissor.

2 – Portugal tem um problema crônico com falta de jovens, sim. Pior que o restante da Europa. Há um “buraco” geracional que pode, sim, ser suprido por jovens brasileiros com baixa qualificação. Não é o ideal, sem dúvida, mas é possível. E, bem… Continua não sendo o único país do mundo.

3. Portugal pode ser mais seguro, mas eu durmo tranquilo sabendo que não haverá ato terrorista ou terremoto.

3 – Eu não dormia tranquilo no Brasil desde o dia que fui assaltado com uma semiautomática na cabeça na esquina de minha casa. Acredite: isso muda uma pessoa.

4. A nossa carga tributária de 36% é exclusivamente causada pelos custos da Previdência, que consomem 12%. Resolvida a Previdência essa carga pode cair para 26%, igual a carga tributária americana.

4 – Os dois primeiros grandes “SE”: “carga tributária de 36% é exclusivamente causada pelos custos da previdência”, ou seja “SE” alguém mexer nesse vespeiro (duvido que mexam) ainda terá 12% de margem para decidir “SE” vai reduzir impostos. Alguém aposta nisso? Eu não.

5. Somente 10% da população brasileira é de funcionários públicos, na Dinamarca são 40% e os nossos ganham pouco.

5 – 40% da força de trabalho dinamarquesa é de funcionários públicos, mas… Estamos falando de Dinamarca? Ou Portugal? Que tal Espanha? Holanda? EUA? Canadá? Nova Zelândia? Austrália? E, bem… 10% de uma mão de obra improdutiva e com uma população ociosa de cerca de 70%…o quadro é feio!

6. A produtividade do brasileiro é metade do que deveria. Se dobrarmos nossa produtividade, nossa carga tributária, nosso tamanho do Estado, também caem pela metade.

6 – A produtividade média do brasileiro chega a ser 1/10 do que poderia. “SE” resolvermos isso…? Primeiro, precisamos de investimento em tecnologia de ponta (caríssimo no Brasil). Depois, em capacitação (problemática devido à nossa baixa qualificação). E, enfim, desburocratização. Ufa… Quantas décadas pra isso, mesmo?

7. Digamos que nosso tempo desperdiçado, nossa produção desperdiçada seja de 30%. Basta sermos mais bem administrados que aumentamos esse PIB mais 50%.

7 – “SE” diminuirmos o tempo desperdiçado… 😴

8. Apesar de sermos contra a classe de Administradores, muitos dos nossos ensinamentos estão sim sendo incorporados na sociedade por engenheiros e programadores, via software , planilhas excel, livros de autoajuda como Pai Rico Pai Pobre.

8 – Concordo.

9. Não somos um país corrupto, somos um país mal auditado.

9 – Discordo em parte. Somos um país corrupto E mal auditado.

10. Não somos um país fracassado, somos um país mal administrado. Por engenheiros e economistas, que fazem o que podem dentro de suas limitações.

10 – Concordo. Há 518 anos. “SE” mudarmos isso, em algumas décadas poderemos ter um bom país.

11. Finalmente, não quero ser taxado daqui 10 anos, de covarde, de ter fugido da luta, de ter abandonado meus amigos e netos que reconstruíram o Brasil, de ter pensado somente em mim.

11 – Migrar não é “fugir da luta”. Ao contrário!! É assumir a própria luta. Meus avós migraram de Portugal para o Brasil. Meus bisavós mudaram da Itália para o Brasil. Meu pai migrou do interior para São Paulo. TODOS eles assumiram a própria luta e fizeram do Brasil um país melhor. Por que não eu? Por que não posso fazer por outro país o que meus pais e avós fizeram? Que pensamento provinciano!

12. Não me procurem quando voltarem para o Brasil, fugindo da estagnação, da velhice europeia, do Islam.

12 – Não é preciso procurar ninguém. Nem perder. Existe internet =D E sobre a invasão islâmica na Europa, de fato, isso seria um ponto que me faria repensar algo.

13. PS. Comparando o que o Brasil avançou nesses 500 anos, com a estagnação Portuguesa nesse mesmo período, eu questiono as anotações de vocês.

13 – De fato, o Brasil avançou em 500 anos mais que Portugal (voltamos a Portugal, então?). Saímos de zero para 1. Portugal deve ter saído de 6 para 7. E a Alemanha Kids últimos 50 anos? Holanda? Nova Zelândia? Austrália? Que tal?
Avanço não é apenas PIB, mas IDH. E pessoas reais, afinal, não vivem de “avanços” em indicadores, mas do que eles representam, de fato, em suas vidas.

E, de lado a postura xiita, o que me impede – a mim ou meus filhos – de voltar amanhã? E não apenas voltar, mas trazer na bagagem vivências, experiências, novas habilidades e, assim, melhorar inclusive o Brasil??

Ao contrário do prof. Kanitz, há anos digo aos meus alunos: vão pra fora. Aprendam, cresçam, melhorem e, se quiserem, voltem.

Faz bem.

O que vocês acham?

Meu primeiro Live Story – Como será o futuro?

Padrão

No início de outubro/17, fiz minha primeira Live Story no Instagram, discutindo sobre como deve ser o futuro em diversas áreas.

Quer assistir?

(o áudio está um pouco falho em alguns momentos por conta da própria tecnologia do Instagram, mas da pra entender as ideias 😁)

Pokemon Go! A brincadeira é séria

Vídeo

Sim, é um fenômeno! Ou seria uma febre? O jogo Pokemon Go, da Niantic (mesma produtora do Ingress) já teve mais de 80 milhões de downloads!!! (e são mais 7 milhões por dia, entre Android e iPhone).

Por mais polêmico que seja – a febre criou uma legião de fãs e uma legião de odiadores, ambos bastante fervorosos – o jogo, que une geolocalização, mobile, social e realidade aumentada, é um negócio. E um negócio milionário! O investimento de cerca de 30 milhões de dólares (feito por pequenas empresas como Google e Nintendo) já se pagou e rendeu um incremento de 22 bilhões (sim, BILHÕES) de dólares no valor da Nintendo, só pra ter uma ideia.

A grande celeuma, porém, se dá no tocante à febre do jogo: pessoas andando nas ruas com seus celulares nas mãos, seguindo um mapa ou um indicador de um bichinho que só pode ser visto através da tela do celular. Na verdade, nada muito diferente do que já acontece hoje. É essa a celeuma e, nesse caso, me coloco fora. Não jogo, acho meio sacal, faço piada com quem joga, mas fica nisso. Entendo que cada um faz o que quer da própria vida. Também não devemos ignorar – principalmente no Brasil e em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro – que andar pela cidade com o celular na mão e atenção focada na tela – e não no ambiente à sua volta – podem apenas facilitar a ação de ladrões e batedores de carteiras (nesse caso, de celulares). O Metrô de São Paulo e outros órgãos já estão alertando alguns desavisados caçadores de Pokémon sobre os riscos de não prestarem atenção por onde andam. Nada diferente do que a mãe da Chapéuzinho Vermelho já fazia, sei lá, muitas histórias atrás.

E pra quem gosta, uma das melhores interpretações do tema de abertura do Pokemon

PS: Joguem Ingress 😊

Diários de Viagem – Coletânea no Youtube

Vídeo

Fala, galera!

Aproveitando que os motores ainda estão esquentando, montei uma playlist com os vídeos de meus diários de viagem desde 2009, quando fiz a primeira viagem para o EGOS, em Barcelona. De lá pra cá, foram mais alguns EGOS e um IAM.

2010 em Lisboa, 2012 em Helsinque, 2013 em Montreal, 2014 em Rotterdam e 2015 em Santiago (IAM). Esses 3 últimos estão sem os vídeos, então vou subindo ao longo desse mês e já incluo na playlist.

Sim, todas as viagens ao exterior foram, a princípio, para apresentação de trabalhos de pesquisa. Alguns com financiamento da FGV (a quem muito agradeço) e outras com recursos próprios. É uma parte interessante da vida acadêmica: poder debater com pares do mundo inteiro sobre pesquisas, idéiase e novas possibilidades. Principalmente nas primeiras viagens, que fui sozinho, acabei fazendo diários de viagem mais completos, com mais vídeos e textos.

Diário de Viagem – Onde mais gostei

Barcelona, certamente, virou minha pequena paixão. E, como uma paixão, é bem difícil explicar suas razões. O clima, a história, arquitetura, atrações, o fato de ter assistido a final da Copa do Mundo 2010 junto com milhares de catalões na Praça da Espanha (hehehe). Roma também é apaixonante, com sua história exalada em cada esquina. A caótica Amsterdam também merece destaque, mas nesse ponto em específico, me lembrou bastante de São Paulo, então perdeu posições, rs.

Diário de Viagem – O que não gostei nada

Bruxelas foi a cidade que não deixou saudades. Apesar de achar que ainda merece uma segunda chance, não está na minha lista de prioridades. Já me falaram que fui para o país certo, mas na cidade errada, que deveria ter ido para Bruges. Pode ser… mas, por hora, não é o destino dos sonhos.

Bom, veja os vídeos e me diga o que acha. Quais as histórias que você traz de suas próprias viagens?