Campanha: Pilhas novas para meu controle remoto (ou “Leia um bom livro”)

Padrão

​Fiz um post (em 19 de janeiro de 2012, mas continua atual) que gerou certa polêmica e a galera pediu para criar um link e permitir compartilhamento. Here it goes, pals!

Post original

Campanha para tirar BBB do ar?Ahhhhhh, vão arranjar o que fazer! Desliguem a TV, escolham melhor seus programas e parem de achar que o governo é seu pai!#umpaísdetolos

Qual o meu ponto: Você não gosta? Eu também não. Mas gosto menos ainda de alguém (Governo Federal, Ministério Público, WWWanessa Camargo, o Raio Que o Parta) me dizendo o que eu devo ou não assistir. E por quê? Porque eu acho que as pessoas tem que aprender a escolher melhor e não jogar essa responsabilidade para outros. E também porque o nome disso é censura.

“Eu não concordo com uma palavra do que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las” (by Voltaire)

Poxa, campanha para tirar (de verdade) o Sarney, o Dirceu, o Sergio Cabral do governo, ninguém faz. Vota mal e depois quer jogar a responsabilidade nos outros. É EXATAMENTE A MESMA POSTURA que a galera tem com o BBB. Se aquela porcaria não desse MUITO dinheiro (ou seja, MUITA audiência), a Globo não faria. Simples assim.

 

O Big Brother DE VERDADE é esse.Daí, minha sugestão: Vai ler um livro! Lá ninguém vai incomodar você com bundas de fora, “estrupos”, “Ai se eu te pego” ou coisas do gênero.

Minha sugestão? 1984, de George Orwell. Alguém sabe por quê? 😉

É mais fácil

Padrão

É mais fácil punir que ensinar. Não que seja o melhor no longo prazo, mas certamente é mais fácil.

A mãe ou pai que prefere bater no filho ao invés de sentar e conversar. O colega que prefere pegar o serviço e fazer ao invés de ensinar como fazer. O professor que prefere bombar um aluno a sentar com ele e se dedicar a ensinar.

E, é dos professores e acadêmicos, que chega esta notíciaBibliotecária americana bane Wikipédia da vida escolar.

Uma bibliotecária de uma escola no estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos, bloqueou o acesso dos alunos de primeiro grau aos servidores da Wikipédia a partir dos computadores da biblioteca. Linda O’Connor, da Great Meadows (N.J.) Middle School, que há anos se opõe à enciclopédia online, decidiu tomar a dianteira e, além de banir o acesso dos usuários ao endereço, também distribuiu cartazes sobre os computadores com os dizeres “Just Say ‘No’ to Wikipedia” (”Apenas Diga ‘Não’ à Wikipédia”), lema semelhante ao da popular campanha antidrogas criada por Nancy Reagan que dizia “Just Say ‘No’ to Drugs”.

wikipedia[1]A razão, compreensível e justificável: muitos alunos usam a enciclopédia virtual como fonte única de trabalhos. Também sofro com isso (para quem não sabe/lembra, sou professor). Mas não é apenas a Wikipedia. Muitos alunos apenas copiam e colam trabalhos prontos da net. Felizmente (para mim, e até para eles) eu conheço “um pouco” de tecnologia e sei identificar um trabalho copiado. É zero sem pensar. E eles sabem… os que arriscam, raras vezes se dão bem.

Mas, pq me dou esse trabalho (de pesquisar as fontes dos trabalhos de meus alunos)? Porque quero que aprendam a fazer, não quero joga-los na fogueira e dizer “se vira”. A vida se encarregará dessa parte. Enquanto estão comigo, quero apenas que aprendam.

Nesse ponto, vejo valor na Wikipedia como ferramenta de inicio de uma pesquisa, de sondagem de um tema. Eu mesmo faço isso, sem crise de consciência. Mas, quando a coisa é séria, procuro fontes mais confiáveis.

E sobre confiabilidade, vai outro cutucão: quem disse que “outras fontes” tem informações “imparciais”? Sinceramente, penso que imparcialidade é apenas uma utopia humana.


Texto original em Na Toca da Cobra do dia 28-Nov-2007

Vai encarar?

Padrão

Estão abertas as inscrições para a 10ª edição do Desafio Sebrae. Voltado para universitários (principalmente dos cursos de Administração e Economia), o desafio visa oferecer um ambiente competitivo real para estudantes “testarem” seus conhecimentos. No ano passado, foram mais de 90 mil estudantes. Espera-se que o número supere a marca dos 100 mil neste ano.

Participei uma vez. Infelizmente não conseguimos nos classificar. Mas tive uma turma que chegou até as quartas em 2006. Estimulo fortemente que montem seus times e participem. Além da experiência, há também um prêmio. Além dos tradicionaisMúsculocomputadores, neste ano será oferecida uma viagem à Itália para a equipe vencedora.

A inscrição custa 30 reales por equipe e as inscrições vão até 13-Mai-2009.

Palestra com Marcelo Vitorino na FIT

Padrão

Em tempos de negócios virtuais, os tradicionais modelos de negócio com forte apelo mercantil, onde há a presença de um comprador que paga por um produto e  um vendedor que recebe por isso, deixa de ser a única remuneração de um negócio. A internet abre possibilidades inexploradas até então e, em muitos casos, ainda confusas e carentes de entendimento.

Para conversar conosco sobre esse assunto, Marcelo Vitorino estará na FIT –Marcelo Vitorino, do blog Pergunte ao UrsoFaculdade Impacta de Tecnologia na próxima quinta-feira, 19 de Março, a partir das 19:30 h no Auditório. Sócio da Insight Publicidade e fundador do InBlogs, é um dos blogueiros mais conhecidos de São Paulo com o blog Pergunte ao Urso, e ministra palestras em eventos como Campus Party 2009 e no Fórum de Mídias Digitais 2008. Ele conversará conosco acerca de novos modelos de negócio que surgem ao redor do ambiente virtual, formas de geração de receita e estratégia integrada de negócios.

Quando? 19-Mar-09 as 19:30
Onde? FIT – Faculdade Impacta de Tecnologia
Rua Arabé, 71 – Vila Mariana

Obs.: Aos alunos do curso de Administração de Empresas da FIT, as palestras ministradas nessa e na semana seguinte valerão 5 horas de Atividade Complementar

Ao vivo na WEB

Padrão

No último semestre de 2008, propus uma espécie de desafio a alguns alunos. Eles haviam chegado tarde para a apresentação de um trabalho e já estavamos com o horário estourado. A princípio, eles tomariam bomba na apresentação e pronto. Mas propus-lhes um desafio: eles deveriam agendar uma apresentação online com a sala e realizar. Assim seriam avaliados. Mesmo que a audiência fosse baixa, seria interessante vê-los resolvendo esse problema. O resultado? Muito ruim. Eles gravaram um vídeo, tentaram subir no youtube e não conseguiram em função do tamanho. Foram avaliados sem a nota de apresentação e a história terminou por aí.

Nessa semana, porém, descobri uma ferramenta que os teria auxiliado, é o Justin.tv. O site, uma espécie de Youtube ao vivo, transmite o conteúdo da webcam do usuário para milhões (quiçá bilhões) de usuários ao redor do globo. A principal diferença em relação ao maior site de vídeos do mundo é a possibilidade de exibição online. Dessa forma, uma palestra online pode ser feita com interação e questões dos usuários. Ou uma reportagem exibida on-line por um grupo de estudantes. É praticamente um canal de televisão, com a diferença que cada usuário pode ter o seu próprio canal e transmitir o próprio conteúdo. A solução não é complexa, sequer é nova, mas acredito ainda haver grande potencial em função da possibilidade de interação.

Para quem precisar da ferramenta um dia, fica a dica


Após criar o post, fui procurar outras opções com serviços semelhantes e encontrei o Mogulus

Livros online

Padrão

Uma boa dica para quem não quer gastar uma bela grana com livros é Biblioteca Virtual, uma parceria entre a Pearson e a Artmed. No site, é possível “alugar” um livro virtual por 10, 15 ou 20 horas (dependendo do tamanho do livro) e lê-lo online. O sistema do site permite que sejam impressas páginas (até 50% do livro) a preço de fotocópia e, inclusive, fazer anotações nas páginas (virtualmente, é lógico).

Barato e rápido, vale um teste.